Refis representa grande vitória para os pequenos negócios

No último dia 9 de abril, o Presidente da República sancionou a Lei Complementar nº 162/2018, que instituiu o Refis das micro e pequenas empresas.

Estabelece o pagamento de entrada de 5%, e o restante, entre as três formas possíveis, todas com desconto de juros (entre 50% e 90%), das multas (25% a 70%) e dos encargos legais (100%). O número de parcelas pode variar de 145 a 175.

O programa de refinanciamento tributário é realmente uma justa vitória, pois dá a oportunidade para as empresas que tiveram dificuldade no pagamento dos impostos. Quem tem impostos atrasados é inadimplente e não sonegador. Segundo estimativa do Sebrae, mais de 600 mil pequenos negócios serão beneficiados por esta lei complementar.

Vale lembrar que foi o primeiro Refis para as micro e pequenas empresas que, num momento de excepcionalidade gerado pela crise econômica e contra vontade, não conseguiram sustentar todos os compromissos e privilegiaram a manutenção dos empregos, o pagamento de salários e dos fornecedores.

Se tivessem optado pelo caminho que incluísse o pagamento dos impostos em detrimento à preservação dos postos de trabalho, certamente o Brasil teria o quadro de desemprego agravado, saltando dos atuais 13 milhões de desempregados, para quase 15 milhões, considerando o contingente ocupado nos pequenos negócios devedores ao fisco, de quase 2 milhões de pessoas.

Gerar novos postos de trabalho é o que o Brasil precisa agora, e investir nas micro e pequenas empresas é o melhor caminho, e mais rápido, para atingir este objetivo. Acertada, portanto, a decisão do Congresso Nacional e da Presidência da República em aprovar o Refis. Afinal, os pequenos negócios são 98% das empresas, responsáveis por 52% dos empregos formais (mais de 6 milhões de empregos) e 27% do Produto Interno Bruto. Basta ver que, no momento da saída da crise econômica, esses empreendimentos tomaram a frente da geração de empregos. Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho, em 2017, criaram quase 330 mil empregos e no primeiro bimestre deste ano já acumularam 143 mil novos postos com carteira assinada, 32% superior ao mesmo período do ano passado.

E este número tende a crescer. Com a confiança que a economia vai manter as condições atuais (acreditam 49% dos empresários) ou melhorar (27%), somada à nova oportunidade de acertar os ônus com o Fisco, agora de maneira mais suave e sem sustos, 50% dos pequenos empreendedores já sinalizaram que planejam investir neste ano para aprimorar e expandir atividades, garantindo assim a criação de novas vagas de trabalho.

A conquista do Refis para os pequenos negócios foi, sem dúvidas, uma grande vitória, que vai fazer com que a roda da economia continue a ganhar velocidade e impulsione o crescimento do Brasil. Voltar a crescer com força é o que o nosso país precisa.

 

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

Conteúdo Relacionado

Deixe seu comentário

Existe um outro caminho para São Paulo.

Conheça as ideias de Skaf para São Paulo. Compartilhe. Participe. São Paulo precisa de todos nós. #ExisteUmOutroCaminho. #SkafGovernador